16/05/2018

Ginásio da Brigada Militar segue com futuro incerto

Ginásio da Brigada Militar segue com futuro incerto

Destruído por um temporal há mais de sete meses, o Ginásio da Brigada Militar (BM), em Porto Alegre, ainda tem futuro incerto. Depois de lançar um edital para vender o terreno e da Escola dos Bombeiros (EsBO), localizada ao lado, e concluí-lo sem interessados, o governo do Estado ainda analisa novos modelos e sabe apenas que as duas áreas serão negociadas separadamente. Enquanto isso, a estrutura na esquina da avenida Ipiranga com a rua Silva Só continua sendo colocada abaixo pela empresa contratada, que deve concluir o processo no final deste mês. 

A próxima etapa da demolição, de acordo com o major Daniel Paulo Lopes, chefe do Centro de Obras da BM, deve ser a dos fundos do ginásio, localizada próxima ao campo de futebol externo. Ainda segundo ele, a conclusão no final do mês é apenas uma previsão, já que as condições climáticas podem afetar o andamento das obras, que, ao todo, incluindo a remoção dos destroços, vão custar aos cofres do Estado R$ 67,3 mil.

Por volta de 9h30min desta segunda-feira, nenhum funcionário da AMG Construtora estava trabalhando no local, apesar disso, o major disse que é de interesse da empresa terminar o processo o mais rápido possível, já que o pagamento só ocorre no final do processo. No final de abril, a demolição chegou a ser suspensa pelo Ministério do Trabalho devido a irregularidades como falta de equipamento de proteção e instalações sanitárias no canteiro de obras.

Conforme Lopes, toda a documentação necessária foi apresentada em seguida e os procedimentos seguem sem nenhum outro problema. De acordo com a Secretaria Estadual de Modernização Administrativa, e dos Recursos Humanos (SMARH), o governo vem estudando possíveis destinos para o terreno desde que o edital foi encerrado sem interessados, no final de março. As principais possibilidades são realizar uma permuta ou até mesmo nova concorrência.

Seja qual for a decisão, no entanto, já se sabe que o espaço e a Esbo terão negociações individuais. Outro ponto que já foi definido é com relação aos valores, que não serão modificados com relação ao edital anterior, com o qual o Estado pretendia arrecadar R$ 125.888.000. Publicado no Diário Oficial na manhã de 21 de fevereiro, o documento previa lance inicial no valor de R$ 40.522.000,00 para a área de 9.849,17 metros quadrados do lote do ginásio e de R$ 85.366.000,00 para a área de 24.788,56 metros quadrados da EsBO, na rua Silva Só.

O ginásio da BM, assim como outros prédios de Porto Alegre, foi danificada por um forte temporal que se abateu sobre a cidade em outubro de 2017. A força dos ventos, que chegaram a 120 quilômetros por hora e afetaram também a Região Metropolitana, arrancaram parte do telhado e destruíram parte da estrutura.

Fonte: Correio do Povo - Henrique Massaro  / Foto: Alina Souza